quarta-feira, 28 de maio de 2014

A minha pessoa preferida

Todos temos uma pessoa preferida; a minha é o meu melhor amigo, o meu amor - é o Pedro.


Conheci o Pedro numa noite quente de verão, no Algarve - mas antes de o conhecer, já o tinha visto umas três vezes, como se estivesse destinado a cada um dar os seus passos para estar ali naquele preciso momento. Escrevi-lhe um bilhete... Longe estava eu de pensar que aquele moreno giro de olhos verdes, seria hoje, o meu namorado.
O amor acontece. A mim foi quando eu menos estava à espera (ainda por cima numa noite de verão!), numa simples e ternurenta troca de olhares e verbalizou-se num bilhete.
Encontrei sem procurar o que muitos procuram sem encontrar.
O Pedro tornou-se o meu melhor amigo, o meu companheiro, o meu namorado. Tornou-se a minha pessoa preferida - não o é por não ter defeitos, porque tem - simplesmente é a pessoa com cujos defeitos eu aprendi a lidar. Ajuda-me no que pode e no que não pode, e mesmo estando ausente fisicamente, consegue fazer-se sentir sempre presente.


 Conhece o melhor e o pior de mim, atura todas as minhas cenas e mesmo assim, continua aqui, desde o início. Amo-o por isto e por muito mais. Amo-o porque sabe sempre o que dizer nas alturas certas, porque está aqui para mim nos meus piores momentos e porque aquece a minha alma quando ela está fria. Amo-o porque me faz querer ser melhor pessoa e desperta o melhor em mim. Amo-o porque me abraça quando eu mereço e até quando eu não mereço. Amo-o porque me ensina tudo o que sabe, porque cozinha para mim, porque me diz coisas queridas quando eu menos estou à espera. Amo-o porque tira fotos parvas comigo e porque se ri das minhas piadas secas. Amo-o porque partilha as suas coisas comigo e me pede opinião em decisões que tem de tomar. Amo-o porque não desiste de mim. Amo-o por todos os motivos e mais alguns e porque não existe outra forma de amar, senão esta que eu sinto por ele. Amo-o porque me faz sentir a pessoa mais feliz do mundo!


És simplesmente a melhor pessoa que conheci, Pedro. Amo-te, tanto!

 
p.s.: Não. Hoje não é um data especial. Não fazemos anos, meses, semanas ou dias de namoro. Não é o aniversário dele, nem o meu. Apenas um dia como outro qualquer; afinal, os dias não precisam de ser especias para valorizarmos as pessoas..

mariajoãoguedescastanheira

1 comentário:

  1. nunca te sintas mal por passar para fora das portas do teu coração aquilo que já deixou de caber nele há muito tempo <3

    ResponderEliminar